Follow by Email

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Mundo das maravilhas


Hoje vou para outro mundo onde todos nós um dia estivemos ou estaremos. O mundo das coisas não ditas, das atitudes não tomadas, das respostas não ouvidas. Esse é um  mundo gigantesco com o passar dos anos ele vai aumentado, pois nele descobrimos um consolo, aqui não sofremos ou sofremos menos. Por medo ou cautela evitamos o dizer ou fazer, pois entendemos que a consequência a do  “ não "  é melhor do que a do  “sim”. Vamos então nos reportar para fora dele e vamos olhar as situações ali no real. Existe uma mesa e duas pessoas entre elas um silêncio que só se quebra por um talher que cai ao chão, este ressoa e forma um eco que tenderia para o infinito desejo de ambos ali. Porém soou finitamente, retornando ao silêncio de palavras que é substituído por meios olhares, meios sorrisos de canto de boca. Quem são essas duas pessoas? Estranhos, conhecidos, parentes......
Vamos agora olhar para frente, ali tem uma pessoa sozinha, ela caminha uma quadra e volta, caminha novamente, novamente retorna. Esse vai e vem e ela ergue a cabeça e avança,  de repente abaixa a cabeça e volta. Espere! Ela parou, parece estar ganhando forças , levanta a cabeça. Opa! Tem um sorriso no rosto, caminha a passos largos. CORRA!!! Ela parou ... abaixou a cabeça, fechou as mãos e voltou...
De repente uma tristeza... Então vamos olhar para o lado, tem duas pessoas caminhando muito, mais apenas uma delas  percebo que fala. A outra parece não estar ali, ora balança a cabeça num sinal de concordar e num sorriso forçado. Percebo que quem fala e não só o faz com som de palavras bem como  usa o corpo todo com uma arma de gesticular e sorri e olha para frente, está contente, ofegante, parece que secaram- lhe as salivas, pararam e o falante comprou uma garrafa d’água, queria oferecer-lhe uma caixa ...
Lá do outro lado tem uma multidão os braços balançam e carregam bandeiras, tem um palanque, um homem fala e quando dá uma pausa a multidão aplaude. Percebo que a frente  existe um grupo eufórico que puxa as palmas, o grupo mais atrás parece que não consegue compreender o discurso completamente, pois o som não está distribuído por igual.  Estes bem que tentam entender o discurso, porém o som cortado é o das palavras de ligação. Quando o grupo eufórico bate palmas “Era o que?!” Batem palmas também. Alguém na frente fez uma pergunta, alguém atrás queria perguntar, este parece confuso, perdido, parece não saber o que ocorre. Palmas!!!!!
Aqui atrás tem uma pessoa cruzando a rua, essa pessoa chama a atenção, uma beleza não ditada pela moda, mas pelo desejo de querer dessa outra pessoa que resolveu parar para olhá-la. Existe certo receio, quem caminha deu uma olhada de canto de olho e não correspondeu à pessoa que a admirava como se não existisse mais ninguém ali... ...
Voltando ao mundo do não, vou chamá-lo assim, encontro essas pessoas lá o que elas têm em comum, medo, precaução, experiência de vida ou paciência? Cabem todos nele, aqueles que temem serem rejeitados, os que já sabem a resposta, os que não querem sofrer, os que não querem magoar, os que sabem esperar o momento certo, os que perderam o momento certo. São sábios os que estão lá?! São os perdidos?! São os tristes?! Quem escolhe ir para esse mundo?! Sou quase capaz de dizer que a maioria, pois lá eles disseram,  fizeram,  não sofreram,  não sentiram ressentimento. Nesse lugar eles convivem em harmonia. No mundo concreto onde o silêncio ressoa um som de ausência, no mundo do não ele toma forma de real onde não é real. Onde as duas pessoas naquela mesa não param de falar entre si, cada uma com sua ideia de resposta e pergunta e diálogo. O que caminhava e não foi, chegou. Onde o que queria falar sem ser reprimido ou zoado, falou. Onde aquela pessoa que atravessava a rua encontrou um amor. É esse o mundo do não, da dúvida, esse é o lugar que escolhemos viver, quando o mundo, dito real, nos indica o contrário. No mundo do não dito, fala-se muito, nesse mundo do não feito, faz-se muito, nele para os que têm medo, não existe temor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário